Resenha: A Hospedeira O Filme

10 abr

Como muitos sabem, Stephennie Meyer – autora da Saga Crepúsculo – lançou um romance de ficção científica chamado The Host (A Hospedeira) em maio de 2008.

Ainda não leu o livro? Acesse esse link e baixe o e-book grátis!

https://docs.google.com/file/d/0BynnlOSXnXqqZDlTVDVRTGE0Ums/edit

Eu confesso que não gostei muito do livro. Participo de um grupo no Facebook que discute tudo sobre livros e filmes e, na época que eu terminei de ler pela primeira vez, eu expliquei o quanto achei falha a escrita de Meyer em A Hospedeira. Abaixo segue o que eu publiquei neste mesmo grupo após assistir ao filme no cinema.

Não sei se todas já foram assistir ao filme, mas prometi para algumas que comentaria o que achei. Como discutimos anteriormente – e vocês podem caçar esse tópico para checar -, eu afirmei que não gostei do livro. Eu esperava mais da Meyer em um assunto que poderia ser tão bem trabalhado como a ficção científica, já que você tem uma liberdade maior para criar. Mas o filme justamente acertou por ter criado tudo o que Meyer falhou no livro, complementou o que era fraco e aperfeiçoou o que era bom.
Não sei se vão lembrar, mas, após ler o livro, eu torcia pelo Ian.
Eu estava com um pé atrás quanto ao elenco escolhido porque a Melanie que eu imaginei pela descrição de Meyer tinha um físico mais forte que o de Saoirse Ronan, que deu vida à personagem nas telas – e cooooomo! Já quanto ao Jared, eu o tinha imaginado mais velho do que Max Irons, mas me surpreendi com a jovialidade ( leia-se subliminarmente: sex appeal!! *0*) e ao mesmo tempo maturidade que ele trouxe ao personagem. E quanto ao Ian, quando eu soube que Jake Abel o interpretaria, fiquei com receio de enxergá-lo com as feições do filho de Hermes, de Percy Jackson.

Mas me surpreendi mesmo.

Voltando um pouco: minha preferência pelo Ian no livro. Nas telas, Saoirse interpretou com tamanha maestria o conflito entre Melanie e Peg que você se pega em conflito junto com ela. Eu não senti nada disso quando eu li o livro, porque eu sentia que Mel estava lutando por Jared e Peg vivenciava esse sentimento por estar partilhando o mesmo corpo e as mesmas emoções. Na tela, essa dualidade fica muito mais complexa, mas ao mesmo tempo muito mais intensa e nítida ao público.

É algo simplesmente impressionante! 

A maneira como Melanie é intensa dentro de Peg e ao mesmo tempo o quanto a personalidade de Peg fica tão ressaltada desde o momento em que ela entra no corpo de Mel…
Acho que o trabalho de Andrew Niccol em roteirizar e dirigir A Hospedeira foi impressionante justamente por ter aparado as arestas que eu achei que Meyer poderia ter trabalhado melhor. E ele fez isso com maestria.

Olha, dou o braço a torcer: ME SURPREENDI!

Do início ao fim, mesmo nas cenas que eu achei que já sabia de cor – já que eu li A Hospedeira duas vezes -, acabei me surpreendendo. Essa é a definição que eu tenho para o filme.
Não vou contar quais, mas Andrew Niccol chegou até a mudar certos detalhes descritos por Meyer e que, na minha opinião, serviram apenas para tornar o filme mais jovial, mais perto da proposta de enredo, mais atraente e ao mesmo tempo mais emocionante e surpreendente.
Enfim, essa é a análise que eu fiz do filme. Como eu disse, eu não tinha gostado do livro, mas reconheço que o filme ficou surpreendente. Aquelas que gostaram do livro, acredito que vão gostar do filme. Eu decidi ir assistir de última hora porque, embora eu esteja trabalhando, a mulher até agora não me pagou, mas minha mãe insistiu para eu ir por eu ter ficado a semana inteira de molho por causa da gripe e estressada por causa desse lance do trampo… No final decidi ir, mesmo com o dinheiro contadinho, e valeu a pena!

Ou quase… Se eu não fosse a única na sessão das 16h20 que não estava acompanhando a filha de doze anos com o grupinho de coleguinhas, eu teria conseguido me concentrar melhor e teria absorvido ainda mais detalhes do filme para passar para vocês. É sério gente, até pega-pega dentro da sala duas garotinhas brincaram quando voltaram do banheiro!!! ¬¬’ Me deu vontade de ir jogar meu copo de cola cola na cabeça da mãe que, COM CERTEZA, deveria estar no 15º sono nessa hora pra não ver uma coisa dessas!!! #Táparei kkkkkkkkkkk

Como eu disse, para quem gostou do livro acredito que vá gostar do filme também. Eu, mais uma vez, confesso que me surpreendi com a qualidade do filme e credito isso ao trabalho de roteirização de Andrew Niccol, que também dirigiu o longa.

Portanto, se você é fã da autora da Saga Crepúsculo ou gosta de Ficção Científica, vale a pena assistir A Hospedeira porque é ação e emoção do começo ao fim!

Assista ao trailer:

 

  • Ficha técnica:

Diretor: Andrew Niccol
Elenco: Diane Kruger, Saoirse Ronan, Frances Fisher, Max Irons, Jake Abel, William Hurt, Boyd Holbrook, Chandler Canterbury, Scott Lawrence, Raeden Greer, Marcus Lyle Brown, Shawn Carter Peterson, Mustafa Harris, Stephen Rider, David House, Phil Austin, Jaylen Moore, Tatanka Means, Evan Cleaver, Robert Douthat, Gustavo I. Ortiz, Alexander Roessner
Produção: Stephenie Meyer, Paula Mae Schwartz, Steve Schwartz
Roteiro: Andrew Niccol
Fotografia: Roberto Schaefer
Duração: 125 min.
Ano: 2013
País: EUA
Gênero: Terror
Cor: Colorido
Distribuidora: Imagem Filmes
Estúdio: Chockstone Pictures / Inferno Entertainment
Classificação: 12 anos

Anúncios

2 Respostas to “Resenha: A Hospedeira O Filme”

  1. lia 28 de outubro de 2013 às 14:26 #

    não entendi uma coisa: se você não gostou do livro, porque leu duas vezes???????

    • fanieoliveira 29 de outubro de 2013 às 2:13 #

      Olá Lia!

      Ao contrário de muitas pessoas, sou um tanto teimosa com relação à leitura. rsrsrs Se eu gosto de um livro logo de cara, ótimo, uhu, party every night! Mas se eu não gosto, principalmente no caso de A Hospedeira cujo filme achei melhor que a obra impressa, procuro reler para ver se meu ponto de vista é alterado, se não foi algum tipo de erro de interpretação meu por qualquer tipo de humor no período em que a primeira leitura foi realizada. Mas, como já disse e repeti tantas vezes ao longo desse post, PARA MIM, o filme foi mais bem esclarecido e completo do que o livro.

      Espero ter esclarecido sua dúvida! Obrigada pela participação!!!

      Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Quatro Notas

E algo mais...

BOOK GRAPHICS

A busy author's best friend

That's My Happy Place

“Li livro durante toda a minha vida. E, quando mais precisei lê-los, os livros me deram tudo o que pedi e mais."

everythingofnothing

tudo o que se cala, se transforma...

Camafeu da Lia

O Diário de Uma Águia Francesa

Fome de Leitura

Resenhas de livros, indicações e tudo para quem, assim como nós, adora devorar um livro!

Revista Marabá

Tudo o que envolve cinema e ações que incentivam o gosto pela sétima arte

Espartilho

Entendendo o universo feminino

Brunices

Livros, séries, filmes, música, e tudo o mais que a minha cabeça quiser e inventar :D

deixadenerdice

e vamos tomar uma cerva?

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d blogueiros gostam disto: